11.10.10

Google images

 

Não, não me refiro aos choques que há na estrada com carros a sério, ou àquele toca-e-foge, ao acelera e trava, ao chamar nomes às restantes criaturas que por lá andam mas, aos carrinhos de choque da feira. Estar meia hora encostada ao pilar da pista dá para observar algumas coisas e tirar algumas conclusões e ver coisas giras [parvas, muito parvas].

 

Assim que se chega perto, a música é o que mais chama à atenção. Quer dizer, talvez não, porque no meio de tantos carrosséis só é perceptível o barulho, que por sinal não é pouco. Mas talvez a luzes, o aglomerado de gente, as faíscas a soltarem-se da rede, mas para a minha pessoa o mais importante é a mística que transporta, pode haver carrosséis novos todos os anos, mas os CC estão sempre lá com lugar cativo, e toda a minha infância a cada semana de feira, só desejava ter as pernas maiorzinhas para poder andar nos CC dos grandes. Pessoalmente a partir do momento em que tirei a carta [dos carros a sério] os da feira deixaram de me interessar tanto, vá-se lá saber porquê. Não passei a chocar contrar os outros, nem com o virar todo do volante ele anda para trás e muito menos tem só um pedal [se bem que ao início eu desejava que os carros reais também só tivessem um pedal], mas pronto. 

 

Mas gostei de ver os putos entre os 12 e os 17 com ar de quem 'domina a cena', vi malta com sacos cheios de fichas, vi muita gente chungosa, vi muitos gaiatos a conduzir o carro com ar de bad boy, vi muita gente de cigarro na boca [criaturas que vi ainda de chucha, agora com uns 15 anos], vi namoradinhos de adolescência, vi choques propositados porque o rapaz do carro da frente era todo giro, vi disputa pelos veículos na hora de trocar. Vi também velhos embriagados no meio da malta. E fiquei também algumas vezes de boca aberta, espantada com coisas que ou nunca tinha visto ou me surpreenderam.

 

Em suma, o fenómeno carrinhos de choque é algo

link do post Pra lá das 5, às 11:00  comentar

De Maria Araújo a 12 de Outubro de 2010 às 22:18
É mesmo algo...Já não me recordo de ir às feiras, aos carrinhos.
Há muitos anos, e andava neles, com receio, mas andava, o meu pai foi levar os meus irmãos mais novoas a andar nos carrinhos. Quando acabaou a "rodada", os carros estavam quase parados e o meu pai faz o jeito de se levantar para preparar-se para sair. Eis que vem um carro por detrás e bate no dele. O meu pai levou uma "panada"!
Felizmente, a dor foi breve e correu tudo bem, mas desde essa altura eu nunca mais andei de carrinhos. Vi o perigo, assim como as cadeirinhas. A única vez que andei, já adulta, apercebi-me do ranger, da velocidade que aquilo atingia, que, quando pousei o pé no solo, propmeti a mim mesma que jamais andaria naquela coisa. E já lá vão muitos anos. Mais insegurança, mesnos inspecção.
Beijinho

De Pra lá das 5 a 13 de Outubro de 2010 às 21:53
Lembro-me que quando era pequena, me advertiam dizendo que as faíscas saltavam e matavam as pessoas, fiquei de facto com medo, mas depois fui-me apercebendo que as faíscas não nos atingiam, então perdi esse medo e comecei a andar. As pancadas que se dá e que nos dão são muito violentas e penso que podem trazer chatices especialmente para a nossa coluna...
Não posso deixar de concordar que a segurança nos carrosséis deixa muito a desejar, ainda assim penso que a dos CC não é das piores.

Beijinhos =)

De angelacristi a 13 de Outubro de 2010 às 13:51
olá...
uma boa visão deste divertimento, gostei...:-)

De Pra lá das 5 a 13 de Outubro de 2010 às 21:57
Olá, uma visão assim a modos de "observatório"...

=)

 
mais sobre mim
Outubro 2010
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
16

20
21
22
23

24
26
30



Leitura do momento
comentários recentes
Muito, muito obrigada :DBeijinho
Muito obrigada :DBeijinho
Muitos, muitos parabéns! :) Beijinho especial ♥
Muitos parabéns minha linda:) pelos dois motivos.T...
Obrigada, vou dando notícias, ainda que com pouca ...
links
blogs SAPO